Processando...

Como as embalagens podem ajudar a vender mais. Veja algumas dicas.

O que leva o consumidor a escolher entre um produto e outro no ponto de venda? A resposta dos consultores passa necessariamente pela embalagem, que é um fator decisivo para o sucesso de inúmeros produtos. Não se trata apenas de uma opção estética. A identidade visual precisa transmitir exatamente o que o consumidor espera do produto.

No caso de produtos específicos para construção, a importância da embalagem é ainda maior. Além de a escolha estar diretamente relacionada à embalagem, sua utilização – mais simples e prática possível – interfere, entre outras coisas, no tempo e no gasto com a obra. 

Fabio Mestriner, idealizador das embalagens dos produtos Mactra, é reconhecido no mercado pela característica inovadora das suas criações. Foi ele o responsável pelo formato curvilíneo da lata do Leite Moça, patenteada pela Nestlé.

Nesta primeira edição da MactraNews, Mestriner dá dicas importantes para a correta exposição das embalagens e fala sobre estratégias de vendas. Confira essas dicas elaboradas com a assessoria de Fabio Mestriner e o apoio da equipe Mactra:

1. A embalagem como fonte exclusiva de comunicação - Mais de 90% dos produtos vendidos em supermercados não têm apoio de comunicação. Dependem única e exclusivamente da embalagem para cativar e informar o consumidor. Isso acontece também com os materiais de construção. Por isso, é de suma importância sua correta exposição nos pontos de vendas.

2. Poder de convencimento da embalagem - O consumidor “não separa a embalagem de seu conteúdo. Para ele, os dois constituem uma única entidade indivisível”, afirma Mestriner, ou seja, a embalagem é um item de avaliação e referência cada vez mais decisivo no processo de escolha dos produtos. Isso quer dizer que a embalagem participa e interfere na percepção do consumidor sobre o produto.

3. Dicas para o lojista explorar melhor as embalagens - Está comprovado que a exposição correta dos produtos, de acordo com sua relevância, melhora significativamente as vendas. A recomendação é para que os produtos sejam apresentados por especialidade, agrupados por marca. Ou seja, os produtos de uma mesma marca especializada devem estar juntos. Assim o consumidor acaba considerando itens complementares e comprando mais.

4. Embalagens para o público feminino - As novas embalagens não podem mais ser eminentemente técnicas e falar exclusivamente com os profissionais do setor. Devem estar voltadas cada vez mais para os consumidores. A mulher hoje responde por 75% do consumo e deve ser considerada com muita atenção no design das novas embalagens e principalmente no tipo de informação que elas trazem. O lojista também precisa levar em conta esse fenômeno.

5. Preservação do meio ambiente - No Brasil hoje, 63,6% de todas as embalagens fabricadas voltam para serem recicladas. E o lojista pode ter um papel importante nesse processo, recolhendo e separando as embalagens que voltam dos seus clientes para encaminha-las à reciclagem.

Embalagens como ponto de apoio e de informação - “Fazer o produto correto para cada aplicação e ensinar a utilizá-lo corretamente”: Essa é a estratégia da Mactra. Por isso, as embalagens dos produtos Mactra trazem informações que orientam tanto o consumidor como o lojista. Há uma atenção especial com as informações disponibilizadas na embalagem por se tratar de produtos técnicos, com qualidade diferenciada, que exigem conhecimentos para sua correta utilização.

Com isso, a Mactra vem obtendo excelentes avaliações nas premiações do setor e tem sido considerada pelos lojistas como uma empresa que, além da qualidade reconhecida de seus produtos, vem liderando a evolução das embalagens no setor, tornando-as mais visíveis, atraentes e informativas. O mesmo acontece agora com sua nova linha de tintas cujas embalagens dão um passo à frente ao incorporar informações que os concorrentes não trazem.

Fabio Mestriner

Dicas de como usar as embalagens para vender mais - Fabio Mestriner
Mestriner é professor coordenador do Núcleo de Estudos de Embalagem da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) e Professor em Gestão da Indústria Gráfica da Sustentare Escola de Negócios, em Joinville (SC).